Sejam Bem Vindos!

Inspirado nos blogs educacionais existentes na NET, este é dedicado a educação. Nele é possível encontrar atividades, avaliações, textos pedagógicos de todos os niveis, planejamentos, livros, slides, dicas de filmes, músicas e todo contexto educacional que é desenvolvido no Ensino Infantil, Ensino Fundamental I e II, Ensino Médio e nos cursos de Pedagógia.

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

É CORRETO ANTECIPAR CONTEÚDOS DO ENSINO FUNDAMENTAL, A CRIANÇAS QUE ESTÃO CURSANDO A EDUCAÇÃO INFANTIL?



Vamos participar o espaço é de todos nós!

6 comentários:

  1. Presidente da Câmara Básica do Conselho Nacional de Educação fala sobre ingresso de alunos com 5 anos de idade e do perigo de adiantar a escolarização das crianças.

    Fim de ano, você já fez ou deve estar fazendo a matrícula do seu filho. E aquela lei, sancionada em 2006, que aumentou a duração do ensino fundamental para nove anos e adiantou a entrada de crianças no primeiro ano com 6 anos de idade, ainda gera polêmica.

    O prazo para que as instituições se adequem à nova regra é 2010 e, enquanto esse processo está em fase de transição, você ainda pode ver em algumas escolas crianças sendo matriculadas com 5 anos no primeiro ano, principalmente aquelas que já freqüentam a pré-escola. “As crianças devem acompanhar a sua turma de sala de aula. Afinal, ela tem um grupo de referência, e a ruptura seria prejudicial”, afirma Callegari.

    A entrada dos novos alunos, no entanto, já deve seguir a lei. “O Conselho Estadual de Educação fixou normas nacionais, com diretrizes claras, para que só sejam matriculadas no 1o ano do ensino fundamental crianças que completem 6 anos até o início do ano letivo. Essa lei é obrigatória e deverá ser cumprida. Não podemos aceitar que cada Estado faça o que bem entende”, diz Cesar Callegari, presidente da Câmara Básica do Conselho Nacional.

    Enquanto alguns pais acham vantajoso apressar a escolarização do filho, o presidente da Câmara ressalta que a medida garante o bem-estar educacional da criança brasileira. Segundo ele, por mais que ela tenha habilidade para ler, por exemplo, aos 5 anos, há outras etapas de seu desenvolvimento que ainda não estão maduras.

    Fonte: Crescer

    ResponderExcluir
  2. A polêmica sobre ensinar ou não as crianças a ler e a escrever já na Educação Infantil tem origem em pressupostos diferentes a respeito de várias questões. Entre elas:

    ■ O que é alfabetização? Alguns educadores acham que é a aquisição do sistema alfabético de escrita; outros, um processo pelo qual a pessoa se torna capaz de ler, compreender o texto e se expressar por escrito.

    ■ Como se aprende a ler e escrever? Pode ser uma aprendizagem de natureza perceptual e motora ou de natureza conceitual. O ensino, no primeiro caso, pode estar baseado no reconhecimento e na cópia de letras, sílabas e palavras. No segundo, no planejamento intencional de práticas sociais mediadas pela escrita, para que as crianças delas participem e recebam informações contextualizadas.

    ■ O que é a escrita? Há quem defenda ser um simples código de transcrição da fala e os que acreditam ser ela um sistema de representação da linguagem, um objeto social complexo com diferentes usos e funções.

    Em razão desses diferentes pressupostos, alguns educadores receiam a antecipação de práticas pedagógicas tradicionais do Ensino Fundamental antes dos 6 anos (exercícios de prontidão, cópia e memorização) e a perda do lúdico. Como se a escrita entrasse por uma porta e as atividades com outras linguagens (música, brincadeira, desenho etc.) saíssem por outra. Por outro lado, há quem valorize a presença da cultura escrita na Educação Infantil por entender que para o processo de alfabetização é importante a criança ter familiaridade com o mundo dos textos.

    Na Educação Infantil, as crianças recebem informações sobre a escrita quando: brincam com a sonoridade das palavras, reconhecendo semelhanças e diferenças entre os termos; manuseiam todo tipo de material escrito, como revistas, gibis, livros, fascículos etc.; e o professor lê para a turma e serve de escriba na produção de textos coletivos.

    Alguns alunos estão imersos nesse contexto, convivendo com adultos alfabetizados e com livros em casa e aprendendo as letras no teclado do computador. Eles fazem parte de um mundo letrado, de um ambiente alfabetizador. Outros não: há os que vivem na zona rural, onde a escrita não é tão presente, e os que, mesmo morando em centros urbanos, não têm contato com pessoas alfabetizadas e com os usos sociais da leitura e da escrita.

    Grande parte das crianças da escola pública depende desse espaço para ter acesso a esse patrimônio cultural. A Educação Infantil é uma etapa fundamental do desenvolvimento escolar das crianças. Ao democratizar o acesso à cultura escrita, ela contribui para minimizar diferenças socioculturais. Para que os alunos aprendam a ler e a escrever, é preciso que participem de atos de leitura e escrita desde o início da escolarização. Se a Educação Infantil cumprir seu papel, envolvendo os pequenos em atividades que os façam pensar e compreender a escrita, no final dessa etapa eles estarão naturalmente alfabetizados (ou aptos a dar passos mais ousados em seus papéis de leitores e escritores)".

    Carla - Uberaba - MG

    ResponderExcluir
  3. Ler para crianças pequenas: Saberes do Professor

    Os primeiros anos de vida marcam um momento da infância em que a criança está aberta para descobrir o mundo de pessoas e objetos que a cerca. Este é um momento propicio para aprendizagens que subsidiam todo o desenvolvimento posterior do homem.

    Em especial na educação de crianças pequenas, entre 0 e 6 anos o fazer partilhado é fundamental no processo de apropriação de conhecimentos propulsores de um amplo desenvolvimento e da personalidade infantil.

    O professor portanto, é um sujeito essencial no processo de apropriação do conhecimento da criança quando organiza o espaço, o tempo e os materiais na instituição, contemplando o tempo da criança e o espaço como historicamente formado a partir das experiências ali vivenciadas

    Ler histórias é uma das maneiras de inserir ativamente - a partir do fazer ativo e intencional do professor - a criança desde pequenininha no mundo letrado.

    Mas o que o professor precisa saber e fazer para ler para crianças pequenas?

    O professor precisa gostar do que vai ler, seus olhos precisam brilhar.
    Conhecer muito bem o texto, utilizar a voz de forma clara, cuja a intensidade, entonação e pausa dependerá da propria história e do lugar onde será lida;
    Criar rituais: um momento na rotina, uma canto da sala, um tapete. Isso é imprecindível quanto menor a criança
    Conversar com as crianças antes e depois dos momentos de leitura.
    Quando a criança interrompe a história é preciso se dirigir a ela seja com um olhar ou um sorriso afetuoso indicando que depois de terminada a história ela tera voz para se manifestar.

    Maria Cristina dos Santos

    ResponderExcluir
  4. Neste espaço ainda cabe o argumento: Se quero que meu filho fale bem inglês, devo colocá-lo em uma escola bilíngüe?

    Em geral, é mais indicada para famílias que convivem com mais de um idioma. A decisão varia ainda conforme a idade da criança. Os adeptos das bilíngües defendem que quanto mais cedo ela aprender a segunda língua melhor será o resultado e que, por possibilitar aprendizado espontâneo, a escola é adequada para isso. Mas é preciso avaliar se são transmitidos valores do país em que a criança vive e se isso é prioridade para os pais.

    Christe - Cascavel - PR

    ResponderExcluir
  5. Acho que as criança devem ter uma rotina ludica, até que estejam naturalmente prontas para aprender a ler e escrever.

    A rotina na educação infantil deve ser lúdica e diversificada. Jogos, histórias, brincadeiras, experiências, momentos livres, entre outras atividades, com foco no desenvolvimento do pensamento lógico e matemático, da comunicação, da expressão (incluindo linguagem oral, artística, escrita e musical) e do corpo, além de permitir conhecimentos sobre a natureza e a sociedade. E o mais importante: que seja previsto na rotina também momentos para a criança escolher o que quer fazer.

    Barbara - Curitiva -PR

    ResponderExcluir
  6. Em que idade meu filho deve começar a ler e escrever e qual é o método mais comum de alfabetização? Qual é o papel da família?
    Há dois métodos de alfabetização mais comuns. O fônico adota cartilhas próprias para alfabetização e ensina a criança a associar letras e fonemas, para depois formarem palavras. O que segue o pensamento construtivista utiliza-se de textos “reais” (livros, músicas, etc.), frases são examinadas e comparadas, até que os futuros leitores façam deduções que os permitam discriminar palavras, sílabas e letras. Algumas escolas mesclam os dois métodos e, também por isso, não há como dizer se um é mais eficiente que o outro, pois o que importa é a preparação e dedicação de quem ensina. Em geral, o processo de aprender a ler e escrever completa-se entre os 5 e 6 anos e a família tem um papel importante: continuar o incentivo à leitura, fazendo da descoberta das palavras um prazer compartilhado.

    Sondra - Niterói - RJ

    ResponderExcluir